Você venderia o seu imóvel pelo valor da avaliação do IPTU?

Nesta semana, aprovamos o projeto que atualiza a Planta de Valores do IPTU e eu votei favorável, assim como em 2017 e em 2018. Porque o imposto vai diminuir ou ficar igual para 51% dos porto-alegrenses e aumentar para os outros 49%. Mas como o IPTU ficará mais barato se está todo mundo dizendo que o projeto é para aumentar o imposto?

É simples, porque a alíquota diminui.

Até 2019, era cobrado 0,85% sobre todos os imóveis residenciais de Porto Alegre. Com a nova lei, a alíquota será progressiva e calculada por intervalo de faixa, de acordo com os valores de cada construção. E, somente, os imóveis com valor venal (que é 70% do valor de mercado) acima de R$ 3 milhões terão a alíquota de 0,85%. Além disso, até R$ 60 mil todas as residências terão isenção.

As zonas que mais valorizaram nos últimos anos e que possuem melhores condições de infraestrutura, provavelmente, terão as maiores atualizações nos valores das construções. Já nos bairros Restinga, Jardim Leopoldina, Lomba do Pinheiro e Rubem Berta, o IPTU diminuirá em 52%, 36%, 27% e 22%, respectivamente.

Para proprietários que terão redução no seu imposto, ela chegará nos boletos de 2020. Porém, o aumento será dividido em seis anos.

Sei que ninguém gosta de pagar imposto, ainda mais com a carga tributária elevadíssima do Brasil, onde até a nossa respiração é tributada.

Eu também não gosto de aumentar imposto, mas como membro antigo da Comissão de Finanças da Câmara conheço muito bem a necessidade financeira da Prefeitura para atender as demandas mínimas dos 1,5 milhão de porto-alegrenses.

A arrecadação do Município vai aumentar. No entanto, não é porque se cobrará uma taxa maior sobre as construções, mas porque o valor delas será atualizado.

Estou sendo e, ainda, serei muito criticado pelo meu voto. Mas questiono: você venderia o seu imóvel pelo valor da avaliação do IPTU? A resposta explica a necessidade ou não da atualização da planta de valores.

Anúncios

CIEE: 50 anos mudando a história dos gaúchos

No dia 29 de abril homenageamos, na Câmara Municipal, o Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) pelos 50 anos de fundação. Mais do que homenagear, fizemos um reconhecimento pela atuação desta instituição que, em meio século, beneficiou mais de dois milhões de jovens com seus programas de capacitação e inserção no mercado de trabalho.

Só que mais do que preparar profissionalmente os jovens, o CIEE se propõe a ser um agente de transformação social ao gerar oportunidades. E você faz parte desta história, pois tenho certeza que já foi ou conhece alguém que conseguiu um estágio através do CIEE.

Por isso, registro, novamente, meus parabéns ao CIEE pelos os 50 anos de pioneirismo e de dedicação à formação dos gaúchos!

III Caminho de Porto Alegre: Fé, animação e superação

Foto: Joel Vargas

A garoa que cobriu os céus da Capital gaúcha na manhã deste domingo, 28 de abril, não foi suficiente para desanimar as centenas de pessoas que aguardavam animadas e ansiosas, em frente à Catedral Metropolitana, a largada para o III Caminho de Porto Alegre. Afinal, peregrino caminha com qualquer tempo.

Por isso, o casaco que escondia, no início, a camiseta oficial do evento foi parar na mochila ou amarrado na cintura quando os caminhantes chegaram ao Santuário de Santa Rita de Cássia, no Guarujá. Lá, no sol e segurando a bicicleta, o ciclista Marcelo Terra se preparava para retornar à Cidade Baixa, após ter sido voluntário, auxiliando os peregrinos durante os 22 km do percurso.

Foto: Marcia Kazumi

Ainda entusiasmado, ele afirmou que esta foi uma vivência que ele nunca havia feito.  “O Caminho capta uma atmosfera diferente de Porto Alegre. A gente passa pelo Centro, pela nova Orla e parece que saí da Cidade quando vem para a Zona Sul”, explicou. Inspirado no Caminho de Santiago de Compostela, Espanha, a rota porto-alegrense possui como pontos oficiais a Catedral Metropolitana, a Igreja das Dores e os Santuários de Schoenstatt e de Santa Rita de Cássia. Terra elogiou a religiosidade da caminhada, que podia ser sentida nos templos e entre os peregrinos. “Achei ótimo mesmo não sendo religioso. Aliás, foi muito rico o foco religioso. Não precisa ser praticante para vir porque isso é cultura, isso é Porto Alegre”.

Foto: Joel Vargas

Participando pela primeira vez do evento, Alinne Barcellos e a mãe Juçara Barcellos estavam contentes por caminharem pelas várias faces da Cidade. Assim como o novo-hamburguense Marcelo Oliveira, que ainda não conhecia a Orla Moacyr Scliar e ficou encantado com os pontos oficiais. “É uma caminhada peregrina, que traz uma energia, um ânimo diferente, conciliando o conhecer com o renovar”.

Várias equipes de caminhada também marcaram presença no Caminho, entre elas, As Gurias Trilheiras, de Taquara, com uma comitiva de 20 pessoas. No meio delas, estavam Antonieta Lucia Seimetz, que se autodenomina uma das “vovós do grupo”, por ter 65 anos de idade, e Rosilene Stangherlin e Vanessa da Rosa que concluíram a rota francesa do Caminho de Santiago em 2017. Stangherlin contou que as duas, mãe e filha, prepararam-se durante três meses para completar os 322 km do trajeto. “Começamos caminhando 3 km e chegando em casa com a língua de fora” disse rindo. Para ela, o principal é colocar uma meta e se superar para alcançá-la.

Cristiane já iniciou sua preparação para Santiago. Foto: Guilherme Sampaio

Pensamento parecido com o de Cristiane Karasek Wasielewski, moradora de Gravataí, que costuma participar da Procissão de Navegantes e que caminhou pela primeira vez a rota porto-alegrense, pois deseja realizar o roteiro europeu no ano que vem. “O Caminho começa quando a gente decide ir”, afirmou.

O Caminho de Porto Alegre é organizado pela Associação dos Amigos de Santiago de Compostela do Rio Grande do Sul (ACASARGS) com o apoio da Frente Parlamentar do Turismo de Porto Alegre da Câmara de Vereadores (FRENTUR) e da Prefeitura Municipal. Segundo o presidente da Frentur, vereador João Carlos Nedel, o objetivo da caminhada é fomentar o turismo religioso e fazer com que as pessoas ocupem as ruas da Cidade. “Queremos que os turistas, os porto-alegrenses, que todos conheçam e vivam Porto Alegre. Cada um realiza a caminhada com um objetivo. Alguns, pela questão religiosa, outros porque gostam de caminhar. E é isso que deixa o Caminho tão especial”, sinalizou.

O evento, contou com mais de 900 peregrinos de 40 municípios diferentes e teve o patrocínio de Zaffari, Shopping Total, CenterShop, HART’S e Vida Leve.

Foto oficial foi feita no templo católico mais antigo de Porto Alegre, a Igreja das Dores. Foto: Joel Vargas

Concessão do Parque da Harmonia

Foto: G1/divulgação

Nos próximos meses, a Prefeitura realizará estudos para analisar a viabilidade da concessão (não é privatização) do Parque Maurício Sirotsky Sobrinho (Parque da Harmonia). A intenção é desenvolver projetos para a revitalização, manutenção, operação, administração, concentração, implantação, reforma e melhoramento do parque.

É o primeiro passo para que o espaço não fique mais 11 meses sem nenhum movimentação e passe a ter, durante todo o ano, atrações como as que ocorrem no Acampamento Farroupilha.

Há anos venho lutando para que seja criado um parque do gaúcho para valorizar nossa cultura e atrair turistas.

Porto Alegre perde demais por manter este local fechado por tanto tempo!

Encerradas as inscrições para o III Caminho de Porto Alegre

Peregrinos de 42 cidades do Rio Grande do Sul, São Paulo e Rio de Janeiro participarão da 3ª edição do Caminho de Porto Alegre, no dia 28 de abril. As inscrições para a caminhada, que é gratuita e inspirada no Caminho de Santiago de Compostela (Espanha), foram encerradas nesta segunda-feira, 15 de abril, com 1270 inscritos. O número é duas vezes maior do que o dos peregrinos que caminharam do Centro à Zona Sul da Capital em 2018.

O Caminho de Porto Alegre possui 22 km que poderão ser feitos a pé, correndo ou de bicicleta. O trajeto passa por alguns dos principais pontos turísticos do Município, como a Casa de Cultura Mário Quintana, Orla Moacyr Scliar, Museu Iberê Camargo, Vila Assunção, Orla de Ipanema, além dos quatro pontos oficiais: Catedral Metropolitana, Igreja das Dores, Santuário de Schoenstatt e Santuário Santa Rita de Cássia. Os quilômetros percorridos na capital gaúcha poderão ser utilizados para a obtenção da Compostelana de Santiago.

O evento, que inicia às 07 horas na Catedral Metropolitana, é organizado pela Associação dos Amigos do Caminho de Santiago de Compostela no Rio Grande do Sul (ACASARGS), com o apoio da Frente Parlamentar do Turismo da Câmara de Vereadores (FRENTUR) e da Prefeitura Municipal.

Zaffari, Shopping Total, CenterShop, HART’S e Vida Leve patrocinam o III Caminho de Porto Alegre. Os 600 primeiros inscritos receberão o kit peregrino com camiseta, credencial, água e barra de cereal. Haverá pontos de apoio e acompanhamento médico ao longo de todo o percurso.

Caminho de Santiago de Compostela

Considerado Patrimônio da Humanidade, o Caminho de Santiago possui várias rotas que levam à Santiago de Compostela, onde se encontram as relíquias do apóstolo Santiago Maior. Peregrinos de diversos países realizam a caminhada, desde o século IX, para adquirir a Compostelana que é o certificado recebido ao completar, no mínimo, 100 km dos 800 km que compõe todo o Caminho de Santiago.

Aprovado o projeto de concessão de Praças e Parques

Aprovamos, no dia 10 de abril, o projeto de lei que permite que praças e parques sejam concedidos em Porto Alegre. Já temos várias praças que são adotadas, permitindo que empresas façam melhorias nos locais em troca de publicidade. Porém, nesta modalidade, não há nenhuma garantia para o Município, pois a qualquer momento, o adotande pode interromper o acordo com a Prefeitura.

Já na concessão, por haver um contrato firmado, a empresa é obrigada a cumprí-lo ou pagará multa para rescindí-lo, dando mais segurança e garantindo o cuidado com o espaço concedido.

Lembrando que concessão não é privatização!

Votei favorável ao projeto e no vídeo explico porque sou a favor desta iniciativa.

Porto Alegre inicia Campanha de Vacinação

Com o secretário de Saúde de Porto Alegre, Pablo Sturmer

A 21ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe foi lançada nesta quarta-feira, 10 de abril, em Porto Alegre, pelo Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. O objetivo da Secretaria Municipal de Saúde é vacinar aproximadamente 600 mil pessoas.

A campanha é dividida em grupos e na primeira etapa, que vai até o dia 18 de abril, serão vacinadas crianças de seis meses a seis anos incompletos e gestantes ou puérperas (mulheres até 45 dias após o parto). Já de 22 de abril a 31 de maio, a vacinação estará disponível para todos os grupos prioritários (crianças, gestantes, idosos, puérperas, professores, pessoas com doenças preexistentes, trabalhadores da saúde e indígenas).

O atendimento será feito de segunda a sexta-feira de acordo com os horários de funcionamento das Unidades de Saúde, que é das 8h às 17h. Na Clínica de Família, na Restinga, será das 8h às 20h, e na US Rubem Berta, no bairro Ruben Berta, na zona Norte, das 7h às 22h. Já nas quatro unidades de saúde com horário estendido (São Carlos, Ramos, Tristeza e Modelo), a vacinação poderá ser feita das 8h às 22h.

Como todo ano, vale salientar que a prevenção é sempre o melhor remédio!